sexta-feira, 1 de agosto de 2014

One name.

Vontade de te virar do avesso, desnudar o desejo de te encontrar.
Em plena madrugada enquanto todos dormem, sonhamos acordados planos imperfeitos.

Uma música declarada à 7 chaves escondida, provoca ansiedade, parcelas de culpa do sujeito.
Mexe com sentidos, anseios primitivos, pulsões à flor da pele.

Me pego pensando e repensando, fazendo e desfazendo encontros marcados; toma conta a brandura que substitui a ansiedade e o medo repele.

Afagos mais tarde, enrijecem as reminiscências frescas re-sonhadas todos os dias.

Sei que não cabem num bloco de papel, nem algum dia a consideração já inserida, o contexto do prazer, a fala produzida, tenaz vivência pernoitada e acalento do ser, mas tua essência compactuada à minha seria desperdício de tempo não reconhecer.

Tamanho resumo faço ao anunciar aqui sua presença, pois novamente não cabe no breve espaço, nem a falta que faz na tua ausência.


Nenhum comentário:

Postar um comentário