sexta-feira, 31 de maio de 2013

Cálice e Alice

Seu Eu fora mordido pelo jogo do perigo
entre dizer sim e não, ao menos arriscar a vez
da paz que não se vê do pensamento que contigo
caminha por entre as veredas da surdez

Espaços vazios estampados na melhor faceta,
observados por quem enxerga atentamente
a discórdia interna interessante de asceta,
ludibriada na neurobiologia inconsciente.

Afetado na defesa de fantasmas não vencidos,
extinguira o que tomara para si como Alice,
promovendo cura aos membros perdidos
no embate sinfônico regido do "Cale-se, Alice!".

Nenhum comentário:

Postar um comentário