sexta-feira, 19 de abril de 2013

Essentia

Uma ínfima poeira flutua e percorre sua rota em direção à janela, rasgando suavemente o fluxo de ar.
De tão insignificantemente improvável que é o fato de rasgar o céu, subestima-se o potencial porque a vemos incapaz e pequena.


Nos grandes frascos há diluição, impureza e escassez. O líquido dissolve no ar quando exposto a outrem. É forte, porém camuflado.

Nos pequenos frascos há variedade de elementos que compõe o perfume tão singular. Há essência própria, não diluída outrora, mas subtraída destes males. Somente ela se faz necessária. Como concentrada em si, não se acha valor maior.
Contagia. Impregna. Traz pra si olhares e faros que distinguem um bom perfume. Inebria. Impacta. Diferencia dos demais.

Mel ou fel, amargura ou amor, docilidade ou dor, bom ou mal; atitudes provenientes do ser, definem e rotulam quem realmente somos pela intencionalidade, pois essa é essência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário